Há 25 anos, computador vencia Kasparov no xadrez

Por 7 de fevereiro de 2021

Crédito: Divulgação

Era 10 de fevereiro de 1996. Jogando com as peças brancas, um computador alimentado com pouco conhecimento sobre xadrez ganhava uma partida, pela primeira vez, sobre o campeão mundial Garry Kasparov. Mas não era uma máquina qualquer, e sim o supercomputador Deep Blue, da IBM, que conseguia avaliar e examinar 200 milhões de jogadas por segundo. Kasparov gastava um segundo para avaliar três jogadas.

Ainda assim, o jogador russo ganhou a rodada de seis partidas com um placar de 4 a 2 para o único humano da mesa. No ano seguinte, ele foi derrotado por um Deep Blue melhorado. Em 2003, Kasparov voltava a jogar contra outra máquina, o Deep Junior.

Xadrez

Peões, bispos, torres, cavalos, rainha e rei. Peças brancas e pretas organizadas num tabuleiro quadriculado. Dois jogadores bem atentos e concentrados. Jogadas calculadas, captura das peças do adversário e… xeque-mate! Você já deve saber do que estamos falando, né? De um jogo que encanta cada vez mais crianças mundo afora: o xadrez.

Jogo de xadrez

Faz pouco mais de 20 anos que o xadrez se tornou popular no Brasil. Mas o jogo é muito antigo! De acordo com informações do site do Centro de Excelência de Xadrez, o jogo surgiu há aproximadamente mil e quinhentos anos, na Índia, com o nome de Chaturanga, e pouco a pouco se transformou no atual jogo de xadrez.

Chaturanga

As muitas guerras e a busca por novas rotas comerciais fizeram com que o xadrez fosse introduzido nos países ocidentais. Na Idade Média, o jogo passou por algumas mudanças que o conduziram à forma atual. Naquele tempo, o xadrez era praticado pela elite européia (pelas pessoas mais ricas e poderosas da Europa), sendo chamado “jogo dos reis e rei dos jogos”.

Com a criação da prensa móvel por Gutenberg, no século XV, tornou-se possível a impressão de livros de xadrez. Com a multiplicação desses livros, ocorreu a primeira democratização significativa do jogo. Sua segunda fase de popularização ocorreu na Europa do leste, já no início do século XX, quando a União Soviética adotou o xadrez como complemento à educação, tornando-se uma potência nesse esporte.

A terceira democratização iniciou-se com a revolução dos computadores e o aparecimento da Internet, na segunda metade do século XX. A partir da década de 50, ciências como a Psicologia e a Inteligência Artificial, buscando construir máquinas inteligentes, apresentaram estudos que aceleraram a produção de enxadristas (jogadores de xadrez) eletrônicos. Hoje muitos enxadristas (ou xadrezistas) de alto nível usam esses programas para treinar e se aperfeiçoar.