14.5 C
Cachoeira do Sul
domingo, 9 maio, 2021 - 23:23
Cachoeira do Sul e Região em tempo real

Estado reforça que não há evidências de prejuízo no atraso da 2ª dose da CoronaVac

CoronaVac: SES afirma que não existe prazo máximo para 2ª dose, mas alerta para importância da imunização completa dentro dos 28 dias / Foto: EBC

A Vigilância em Saúde do governo do Estado afirma que não existe nenhuma evidência de que atrasar a aplicação da segunda dose da vacina CoronaVac provoque prejuízo na imunização das pessoas. Não existe um prazo máximo para tomar a segunda dose, depois do qual se tenha que começar tudo de novo. No entanto, em entrevista à Rádio Gaúcha, a diretora do Centro Estadual de Vigilância em Saúde, Cynthia Molina Bastos, frisa que o período entre as duas aplicações recomendado pelo Instituto Butantan para a CoronaVac é de 28 dias.

Autoridades de Saúde do Estado cobram do Ministério da Saúde agilidade no repasse de vacinas para completar essa imunização. A pressa dos governos com a segunda dose é para que a maior parte da população fique logo protegida contra doença, evitando internações e mortes.

A Secretaria Estadual da Saúde (SES) e o Conselho das Secretarias Municipais da Saúde do Rio Grande do Sul (Cosems/RS) preparam ofício ao Ministério da Saúde para cobrar mais rapidez no fornecimento da CoronaVac para cobrir as segundas aplicações. Nesta sexta-feira (23), novas 242,9 mil vacinas para completar a segunda dose de quem se imunizou entre janeiro e março e avançar na faixa etária de 61 anos.

Aos poucos, quando pessoas com 60 anos forem imunizadas, será possível iniciar o grupo que tem comorbidades. A SES vai orientar os municípios a seguirem o esquema apontado pelo Ministério da Saúde nesta quarta (21). O governo federal propôs um plano por grupos de idade, reunindo pessoas entre 55 e 59 anos primeiro, depois de 50 a 54, e assim por diante.

 

Portal OCorreio
Portal de notícias de Cachoeira do Sul e Região