Urna eletrônica: quase 60% não confiam totalmente

Por 8 de agosto de 2021

Uma pesquisa indica que 41,6% dos brasileiros confiam totalmente nas urnas eletrônicas, enquanto 15,2% desconfiam totalmente, tendo a certeza de fraudes eleitorais. Levantamento realizado pelo Instituto Orbis mostra ainda que 18,3% dos entrevistados confiam, mas com dúvidas quanto à segurança eleitoral; 6,8% confiam pouco e consideram o sistema frágil e 18,1% desconfiam e acreditam que pode haver fraudes.

Entre os entrevistados, os homens confiam menos do que as mulheres: 37,1% contra 45%. Em relação à faixa etária, apenas entre 16 e 19 anos prevalece “confio, mas tenho dúvidas sobre segurança”. Nas demais, a total confiança nas urnas eletrônicas prevalece. Na análise por renda, em todas elas o maior percentual é para “confio totalmente”, da mesma forma quando analisadas as cinco regiões brasileiras, onde os índices de confiança total prevalecem.

Quando a pergunta é sobre qual solução pode trazer mais confiança ao sistema, 48,6% responderam não ser necessária alteração, há que o sistema é seguro; 35,5% citaram o voto impresso para poder fazer recontagem, 9,3% indicam acabar com as urnas eletrônicas, retorno do voto impresso e contagem manual e 6,6% o voto em papel com contagem automática. O Instituto Orbis ouviu 1.100 pessoas entre os dias 3 e 4 de agosto, de forma proporcional em todo o Brasil. A margem de erro é de 2,95%, com 95% de confiança.

O levantamento foi realizado por telefone, via URA ativa e coleta de forma automática.