Uma vítima era autista: Polícia do RS prende casal acusado de torturar menores

Por 13 de julho de 2021

A Polícia Civil, por meio da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) de Canoas, cumpriu mandado de prisão preventiva em desfavor de mulher de 40 anos e de homem de 44 pela prática do crime de tortura contra os filhos/enteados de 15 e 6 anos, respectivamente.

As vítimas moravam com o pai (44), a madrasta (40) e os 3 filhos dela. A avó materna começou a desconfiar que algo de ruim estava acontecendo, pois não podia mais ver os netos, nem fazer vídeo-chamadas com eles. Certo dia, o neto mais velho confidenciou a avó que estava sendo diariamente espancado, momento em que foi descoberto pelos acusados e em razão disso apanhou novamente e teve várias lesões.

Ao tomar conhecimento, a avó procurou a polícia, que logo fez os depoimentos e representou pela prisão preventiva dos investigados a fim de preservar a integridade física das vítimas e poder instruir o inquérito sem atos de coação a vítimas e testemunhas.

O adolescente de 15 anos é portador de autismo e estava com sérias lesões, desnutrido, com hematomas, sangramento na cabeça e sem o movimento de um dos braços, em razão de uma pancada no cotovelo. Ainda, quando o pai das vítimas descobriu que havia sido feito o boletim de ocorrência, agrediu violentamente o adolescente, alegando que este teria abusado do irmão mais novo, o que jamais ocorreu, a fim de justificar tais agressões.

O delegado Pablo Rocha, titular da DPCA/Canoas, revelou que as fotos da lesão e do estado de desnutrição de uma das vítimas já de início impressionaram os policiais e motivaram a prioridade na instrução do feito. Os depoimentos, tomados na forma especial, deixaram muito claros os fatos e serviram de base à representação por prisão preventiva. Mais informações podem ser adquiridas com o delegado.