Que entre os nossos melhores amigos, estejamos nós.

Por 19 de outubro de 2021

Toda vez que não nos irritamos, nem sofremos, por fatos e coisas que antes nos faziam ficar irritados e sofrendo, estaremos sendo, para nós, os melhores amigos que alguém pode ter na vida…

Sim, pois dessa forma, nós próprios faremos o máximo que uma pessoa conseguiria fazer para nos ver felizes, preservando acima de tudo o que nos deixa sempre bem: a nossa paz e a nossa total satisfação, libertando-nos de sofrimentos, desentendimentos e contrariedades a cada dia.

E o mais incrível é que quando paramos de nos incomodar e sofrer por fatos, pessoas, coisas e situações negativas, indesejáveis, é que percebemos que nada disso tem a menor importância para nossa rotina, pelo contrário, somente atrapalha e impede a prática daquela vida tão feliz de verdade que desejamos desde sempre.

O bom nisso tudo é que qualquer pessoa pode agir assim se quiser, qualquer pessoa que deseje trocar o velho hábito de se incomodar e sofrer pelo hábito de não se incomodar e não sofrer.

Se parece difícil agir assim, muito, muito, muito mais difícil é continuar preservando aquele antigo costume de viver plantando a realidade que não gostamos de colher, mas a colhemos por justo merecimento.

Quanto mais amigos estivermos sendo de nós mesmos, mais evitaremos protagonizar situações que só nos desagradam, como nos irritarmos, odiar os outros, querer ter sempre razão, enfim.

Que entre os nossos melhores amigos, estejamos nós, sempre… agora inclusive.

O melhor de tudo é que a gente tem opção. A começar por concordar ou não com as afirmações acima.

Ótima semana, queridos leitores e leitoras!

Cleo Boa Nova é publicitário, palestrante, escritor, músico e comunicador, autor dos livros “A Nossa Vida é a Gente Quem Cria. Senão Não Seria a Nossa Vida.” e “Viva Feliz o Dia de Hoje. Viva!” e autor-intérprete do CD “Paz e Alegria de Viver”.