VÍDEO: CONFIRA MOMENTO DA PRISÃO DE LÁZARO, MORTO APÓS 20 DIAS DE BUSCAS

Por 28 de junho de 2021

ATUALIZAÇÃO -Após 20 dias de uma megaoperação, com mais de 270 policiais, Lázaro Barbosa, de 32 anos, foi morto após ser baleado nesta segunda-feira (28), em Goiás. Imagens mostram o fugitivo ferido. Condenado por assassinatos e estupros, o fugitivo da Justiça era procurado por uma série de crimes na Bahia e em Goiás. Ele também é acusado da morte de quatro pessoas de uma família em Ceilândia, no Distrito Federal, e de um caseiro de uma fazenda no distrito de Girassol, em Goiás.

Crédito: Reprodução

A confirmação da morte do criminoso foi feita pelo diretor da Agência Brasileira de Inteligência, Alexandre Ramagem, em suas redes sociais:

“Parabéns à PM/GO e demais forças pelo sucesso nas diligências de localização e todo esforço na captura. Planejamento, cooperação e inteligência encerraram a reincidência de crimes hediondos e mais tragédias a outras possíveis famílias. Nossos sinceros sentimentos pelas vítimas. Busca-se sempre a estruturação de polícias eficientes e competentes, mas sabendo ser impossível a proteção constante e permanente de todos. O cidadão deve ter meios para defesa legítima de sua família. Desarmamento demonstrou ser um desastre como política nacional de segurança” – diretor da Abin, Alexandre Ramagem

Crédito: Reprodução


Após 20 dias de buscas, a Polícia de Goiás prendeu nesta segunda-feira (28) o assassino Lázaro Barbosa. A informação foi passado pelo governador do estado, Ronaldo Caiado.

Condenado por assassinatos e estupros, o fugitivo da Justiça era procurado por uma série de crimes na Bahia e em Goiás. Ele também é acusado da morte de quatro pessoas de uma família em Ceilândia, no Distrito Federal, e de um caseiro de uma fazenda no distrito de Girassol, em Goiás.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) de Goiás informou que o suspeito deve ser encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para o exame de corpo de delito e, em seguida, será levado para o presídio de Aparecida de Goiânia, na Região Metropolitana da capital.

Crédito: PC