PM cachoeirense é a primeira mulher a assumir o comando do Presídio Central

Por 27 de agosto de 2021

A major da Brigada Militar Ana Maria Hermes assumiu como diretora do Presídio Central, em Porto Alegre. A cachoeirense é a primeira mulher à frente da maior casa prisional do Rio Grande do Sul. Natural de Venâncio Aires, mas com raízes profundas em Cachoeira do Sul, a ex-comandante do 35º Batalhão de Polícia Militar é especialista em operações de choque e também comandou na cidade o Pelotão de Operações Especiais (POE) – hoje Força Tática – do aquartelamento.

Hoje com 46 anos, Ana Maria é diretora desde 16 de julho do Presídio Central, que atualmente tem o nome oficial de Cadeia Pública de Porto Alegre. Na casa prisional, ela já acumulava a experiência de ter sido, como capitã, chefe da sala de visitas, num ciclo que se iniciou em 2011 e se estendeu por dois anos. Em 2014, atuou em operações de choque na Copa do Mundo no Brasil.

De 2014 a 2018, serviu no 35º BPM, onde tanto na condição de comandante como de oficial à frente do POE, deflagrou ações importantes pelas ruas, principalmente as Operações Avante, que fiscalizavam pedestres, veículos de passeios e até ônibus urbanos de Cachoeira do Sul nas noites de sextas-feiras e nos finais de semana. Nesse meio tempo, em 2016, integrou a Força Nacional nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. Em 2018, retornou para o Central, onde atuou na gestão de projetos e recursos.

Em setembro de 2020, assumiu a função de subdiretora da Cadeia. Hoje, dirige o maior complexo prisional do Estado com 3,5 mil detentos. Entre seus projetos para a Cadeia Pública de Porto Alegre, está a profissionalização dos  presos com cursos e oficinas de curta duração, devido à alta rotatividade principalmente de detentos provisórios. Gastronomia, mecânica, construção civil, jardinagem e eletricidade estão entre as áreas que ela pretende apostar  em seu projeto de ressocialização. “É o meu grande projeto para a Cadeia Pública de Porto Alegre”, destacou a major Ana Maria, em entrevista recente à imprensa da Capital.

Major Ana Maria Hermes já acumulava experiências na maior casa prisional do Estado, além de ser especialista em operações de choque / Fotos: Arquivo pessoal/Divulgação