#dudamulticomunicação – Neuromarketing de conteúdo: como criar conteúdos relevantes

Por 7 de dezembro de 2019

por Eduarda DeAvila Esteves

Hoje, as marcas disputam pela atenção do consumidor o tempo inteiro em suas timelines. São diversos anúncios e imagens apelativas na tentativa de fisgar o coração e a mente do público desejado. Porém, em meio a tantas informações, só se destacam as empresas que conseguem usar estratégias inteligentes na criação de conteúdos relevantes para o consumidor, e as ferramentas de neuromarketing podem ser ótimas aliadas nesta construção. Um conteúdo relevante é a união entre as experiências, perspectivas e conhecimentos da empresa, e os interesses, necessidades, expectativas e frustações do público alvo da marca. Quando se entende isso, as marcas conseguem gerar valor para seus seguidores sem precisar apelar com estratégias ultrapassadas e muitas vezes, até agressivas.

Se o foco dos conteúdos é apenas na empresa, em o que ela oferece e no que quer dizer, corre-se o risco da marca se tornar irrelevante para o público, porque o que diz não é atrativo para o consumidor ou também porque a linguem utilizada para se comunicar não é bem pensada o suficiente para engajá-lo. As pessoas gostam de histórias: nosso cérebro segue uma zona lógica, por isso histórias nos atraem tanto. Assim, é bastante eficaz contar a trajetória corporativa, mostrar como o produto ou serviço oferecido realmente ajuda a mudar a vida das pessoas e como foi o processo para o lançamento de uma nova campanha, por exemplo. Focar somente no produto de forma isolada pode atrapalhar a comunicação. Vivemos na era da experiência, e por isso é preciso envolver o cliente com a marca e fazê-lo se sentir parte importante desse processo.

Outro ponto extremamente importante é a simplicidade na comunicação, essa é sempre a melhor opção. Nada de termos técnicos e explicações complexas, as coisas simples atraem nosso cérebro. Conteúdos com informações em excesso, que não têm relevância para o tema abordado dificultam a compreensão. Uma boa estratégia de marketing de conteúdo precisa focar em materiais que garantam um entendimento mais rápido da mensagem. Isso irá facilitar a interação da marca com o público, e pode ate encurtar a jornada de compra. A socialização também é necessária para o público, principalmente o feminino. As mulheres ficam mais atraídas por um conteúdo que as envolvem, participando do contexto da organização. Uma dica é convidá-las para experimentar a solução que a marca oferece e pedir a opinião delas. Estimular a interação deste público com os processos, eventos e novidades da empresa é essencial na conquista de sua atenção e confiança.

Uma outra técnica que fisga com mais facilidade os olhos do público é a humanização de campanhas e posts com fotos de pessoas reais. Se o produto ou serviço é algo muito técnico, por exemplo, incluir imagens e textos que falem sobre pessoas pode ajudar muito. Com isso, os potenciais clientes sentem-se mais próximos do negócio, que evidencia a inteligência e a importância dos seres humanos por trás da máquina.

Existem diversas outras estratégias e ferramentas que podem ajudar as marcas na construção de conteúdos de valor, mas entender que hoje as redes sociais são um canal de interação, troca de informações e experiências, já é o primeiro passo para se começar uma boa relação com o público. Na era da informação, quem tem conteúdo relevante saí na frente, e unir todo o conhecimento e potencial de uma marca com estratégias de neuromarketing para a criação desses conteúdos será sucesso garantido na conquista do coração e da mente dos consumidores.