Mais atenção com a Ponte de Pedra, monumento da época do império

Por 16 de janeiro de 2019

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Constantes cheias do Rio Botucaraí preocupam pelo acúmulo de sujeira e galhos na base da ponte. Foto: Divulgação

A Ponte de Pedra, localizada no Rio Botucaraí, na região  da Forqueta, interior de Cachoeira do Sul, necessita de atenção. A cheia do Botucaraí mais o entulho de galhos e sujeira que se acumula na base de sua estrutura preocupa.

Cachoeirenses que neste período de verão, visitam a área e até acampam próximo ao monumento, informam que o correto seria a realização de uma limpeza, porque a água do Botucaraí fica represada pelo acúmulo de entulho.

Há cerca de sete anos, uma mobilização comunitária revitalizou a estrutura da ponte com a participação do 3º Batalhão de Engenharia de Combate. O trabalho voluntário foi elogiado e foi desenvolvido pelo Grupo de Recuperação da Ponte de Pedra, liderado pelo arquiteto Osni Schroeder.

Há muitos anos, a ponte não é utilizada por travessia porque está localizada em uma área particular, mas pode ser visitada. No local exista mata nativa e é onde os veranistas erguem acampamento. O acesso até ponte tem gerado reclamação, porque a estrada constantemente está alagada e cheia de buracos.

HISTÓRIA

A historiadora cachoeirense, Miriam Ritzel, em publicações, salientou que Cachoeira do Sul possui um dos mais belos monumentos construídos ao tempo do Império – a Ponte de Pedra sobre o Rio Botucaraí. “Aberta ao trânsito por volta de 1848, a ponte foi a primeira do tipo a ser construída no Rio Grande do Sul, segundo relatos do historiador Aurélio Porto. Principal acesso da Vila de Cachoeira aos grandes municípios da época, Rio Pardo e Porto Alegre, hoje se encontra desativada e desassistida”, observou.