25.2 C
Cachoeira do Sul
sábado, 17 abril, 2021 - 15:07
Cachoeira do Sul e Região em tempo real
  • Inicio
  • ECONOMIA
  • Famurs diz que não cabe à Justiça decidir sobre a cogestão

Famurs diz que não cabe à Justiça decidir sobre a cogestão

 

Famurs manifesta contrariedade à decisão da Justiça. Foto: Divulgação

A Federação dos Municípios do RS (Famurs), diante da recente decisão judicial da 10.ª Vara da Fazenda Pública do Estado o Rio Grande do Sul, que suspendeu provisoriamente o retorno da Gestão Compartilhada entre Estado e Municípios, divulga nota manifestando contrariedade.

A entidade diz o seguinte:

“A decisão do Governo do Estado, agora suspensa pela decisão da Justiça, em retomar o sistema da cogestão com os municípios, é oriunda de uma construção política e administrativa, dentro da esfera de discricionariedade dos poderes executivos, só pesando os critérios de saúde e economia, sendo o primeiro critério preponderante sobre o segundo. Ao tomar a decisão de retomar a cogestão, o Governo do Estado o fez levando em consideração as peculiaridades locais dos municípios e regiões do Rio Grande do Sul, tanto no aspecto sanitário como econômico.
Observe-se que, mesmo com a absoluta consciência da gravidade da situação entre os gestores, não houve oposição de nenhuma entidade representativa dos hospitais a decisão de retomada da cogestão. Ademais, discutiu-se e aprovou-se com os (as) prefeitos (as) municipais a ampliação de equipes de fiscalização, como forma de garantir o cumprimento das regras.
As normas de competências e distribuição de poderes no país dá autonomia, e mais do que isso, independência aos poderes, para que, dentro das suas atribuições, tomem as devidas decisões. Ocorre que no presente caso, não é da competência do Poder Judiciário tomar decisões sobre o mérito das decisões dos Prefeitos e Governador, pois isso só cabe a eles, administradores diretos dos serviços públicos. Não se tem, no RS, qualquer omissão ou irresponsabilidade no combate a pandemia que pudesse justificar o descumprimento de preceitos constitucionais.
A decisão da Justiça causa ainda mais insegurança e imprevisibilidade para a sociedade. O governador Eduardo Leite havia confirmado o retorno da cogestão ainda na quarta-feira, gerando expectativas e ações na sociedade, e levando todos a crer que os Prefeitos que assim avaliassem, poderiam utilizar protocolos de uma bandeira inferior a sua classificação no modelo de distanciamento controlado.
Diante de tais considerações, espera-se que a decisão liminar seja revista em sede recursal. Aguardarmos o desfecho final dessa discussão judicial, já que o Governo do Estado irá recorrer buscando, a revisão da medida. Avaliamos que o diálogo, equilíbrio e o bom senso são o caminho para a solução dos inúmeros problemas que nos atingem nessa crise. Aqui no RS, continuamos, Governo Estadual e Municipais, tomando as decisões sempre em defesa da vida, do direito ao trabalho e da agilização da vacina para toda população gaúcha”.
– Maneco Hassen – Presidente da Famurs

 

 

 

 

 

 

 

 

A Federação dos Municípios do RS (Famurs), diante da recente decisão judicial da 10.ª Vara da Fazenda Pública do Estado o Rio Grande do Sul, que suspendeu provisoriamente o retorno da Gestão Compartilhada entre Estado e Municípios, divulga nota manifestando contrariedade.

A entidade diz o seguinte:

 

“A decisão do Governo do Estado, agora suspensa pela decisão da Justiça, em retomar o sistema da cogestão com os municípios, é oriunda de uma construção política e administrativa, dentro da esfera de discricionariedade dos poderes executivos, só pesando os critérios de saúde e economia, sendo o primeiro critério preponderante sobre o segundo. Ao tomar a decisão de retomar a cogestão, o Governo do Estado o fez levando em consideração as peculiaridades locais dos municípios e regiões do Rio Grande do Sul, tanto no aspecto sanitário como econômico.

Observe-se que, mesmo com a absoluta consciência da gravidade da situação entre os gestores, não houve oposição de nenhuma entidade representativa dos hospitais a decisão de retomada da cogestão. Ademais, discutiu-se e aprovou-se com os (as) prefeitos (as) municipais a ampliação de equipes de fiscalização, como forma de garantir o cumprimento das regras.

As normas de competências e distribuição de poderes no país dá autonomia, e mais do que isso, independência aos poderes, para que, dentro das suas atribuições, tomem as devidas decisões. Ocorre que no presente caso, não é da competência do Poder Judiciário tomar decisões sobre o mérito das decisões dos Prefeitos e Governador, pois isso só cabe a eles, administradores diretos dos serviços públicos. Não se tem, no RS, qualquer omissão ou irresponsabilidade no combate a pandemia que pudesse justificar o descumprimento de preceitos constitucionais.

A decisão da Justiça causa ainda mais insegurança e imprevisibilidade para a sociedade. O governador Eduardo Leite havia confirmado o retorno da cogestão ainda na quarta-feira, gerando expectativas e ações na sociedade, e levando todos a crer que os Prefeitos que assim avaliassem, poderiam utilizar protocolos de uma bandeira inferior a sua classificação no modelo de distanciamento controlado.

Diante de tais considerações, espera-se que a decisão liminar seja revista em sede recursal. Aguardarmos o desfecho final dessa discussão judicial, já que o Governo do Estado irá recorrer buscando, a revisão da medida. Avaliamos que o diálogo, equilíbrio e o bom senso são o caminho para a solução dos inúmeros problemas que nos atingem nessa crise. Aqui no RS, continuamos, Governo Estadual e Municipais, tomando as decisões sempre em defesa da vida, do direito ao trabalho e da agilização da vacina para toda população gaúcha”.

– Maneco Hassen – Presidente da Famurs

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Portal OCorreio
Portal de notícias de Cachoeira do Sul e Região