ESPECIAL: LEVANTAMENTO CONFIRMA DOSES VENCIDAS NO RS

Por 5 de julho de 2021

Após realizar, no final de semana, uma rigorosa conferência em três lotes da vacina AstraZeneca que teriam sido administrados após o vencimento no RS, a Secretaria da Saúde (SES) produziu um relatório com 877 registros de vacinas aplicadas após a data de validade, o que representa 0,27% do total de vacinas distribuídas nos três lotes (313.630 doses). A Secretaria Municipal da Saúde ainda não emitiu manifestação sobre o caso.

O documento, que traz o nome de todos os vacinados, para facilitar a busca, foi encaminhado nesta segunda-feira (5) às 18 Coordenadorias Regionais de Saúde (CRS), que irão repassar os dados aos 75 municípios onde foram encontrados os registros. O Conselho das Secretarias Municipais da Saúde (Cosems) também recebeu o relatório, visando agilizar a verificação in loco.

Os lotes que teriam sido administrados após o vencimento recebidos pelo Estado são os seguintes: o 4120Z005, com validade de 14 de abril e distribuído em 25 de janeiro, o CTMAV520, com validade em 31 de maio e distribuído em 26 de março, e o lote 4120Z026, com validade de 22 de junho e distribuído em 25 de fevereiro. Todos os lotes distribuídos aos municípios tinham, portanto, prazo de validade superior a dois meses.

“Em muitos casos, o município nem precisará fazer contato com o vacinado, porque claramente é uma falha no registro. Identificamos, por exemplo, o número do lote duplicado na primeira e segunda doses. Estamos orientando os municípios a retificarem no sistema quando observarem equívocos de registro” –  Chefe da Divisão de Epidemiologia do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs), Tani Ranieri

Para a secretária adjunta da SES, Ana Costa, a maior parte dos casos deve realmente se configurar como falha no registro: “Muitos municípios já nos deram retorno de sua verificação e concluíram por equívocos de registro no sistema. Agora, com a lista dos 877 nomes, os municípios devem fazer buscas aos vacinados e verificar os casos um a um”, diz a secretária Adjunta da SES, Ana Costa.

A SES tem uma logística de distribuição que garante a entrega das vacinas às 18 regionais de saúde em 24 horas e, aos municípios, em até 36 horas. Em cada remessa de vacinas são enviadas notas fiscais onde constam informações do laboratório, lote e data de validade do imunizante.

Se na verificação se observar algum caso em que a vacina foi aplicada fora do prazo de validade, a orientação do Ministério da Saúde é que o vacinado receba nova dose, no prazo mínimo de 30 dias após a aplicação da dose vencida. Segundo a Organização Mundial da Saúde, receber uma vacina vencida pode diminuir o efeito protetor, mas o fato não acarreta em risco de evento adverso.