Como a terapia ajuda no tratamento de dependência química?

Por 18 de maio de 2021

Como a terapia ajuda no tratamento de dependência química?

A dependência química é uma doença reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como crônica, progressiva e incurável. O tratamento, no entanto, é possível em uma clínica de recuperação.

A dependência também é considerada multifatorial, ou seja, determinadas situações ou características (conhecidas como fatores de risco) podem contribuir para seu desenvolvimento e/ou agravamento da doença. A perda de um ente querido, estresse no trabalho, transtornos psiquiátricos e fatores genéticos podem ser uma porta de entrada para o abuso de entorpecentes.

Embora boa parte das internações ocorram de forma voluntária, há situações em que uma clínica internação involuntária é preciso (ou seja, contra a vontade do paciente) por decisão da família — na tentativa de evitar que ele se torne um perigo para si mesmo e outros à sua volta.

O tratamento é iniciado após uma avaliação psiquiátrica, em que se analisam riscos e causas e, o mais importante, o tipo de terapia. É importante entender que cada doença, em sua maioria, requer um tipo diferente de tratamento.

Mas, de fato, como a terapia ajuda no tratamento de dependência química? Entenda com a gente.

Inicialmente, é importante reconhecer os principais sintomas da dependência química

O vício em drogas provoca diversas mudanças comportamentais, afetivas e sociais na vida do indivíduo dependente. Perceber os sintomas é o primeiro passo para identificar o vício e procurar por tratamento, sendo a família uma importante base de apoio para o dependente.

Cada substância possui suas especificidades e sintomas, no entanto, algumas características mais comuns podem ser observadas. São elas irritabilidade, inquietação e descontrole (especialmente em períodos de abstinência).

A importância de procurar ajuda

O uso de múltiplas drogas e substâncias psicoativas afeta diversas áreas na vida de um indivíduo: sua saúde física e mental, a vida profissional, suas relações interpessoais etc. Por essa razão, é importante procurar ajuda de profissionais qualificados (médicos, psicólogos e psiquiatras) e realizar o tratamento em um ambiente seguro.

Quando diagnosticada e avaliada, a dependência química deve receber um acompanhamento a médio-longo prazo em uma clínica de reabilitação masculina, por exemplo — dependendo das características pessoais de cada indivíduo. A frequência e quantidade de doses usadas, além de problemas de ordem psicológica, são considerados antes do início da terapia.

Para garantir o sucesso do tratamento e evitar futuras recaídas, o paciente passa por diferentes etapas até estar pronto para ser inserido novamente na sociedade.

Como a terapia comportamental ajuda no tratamento de dependência química?

Após a etapa de desintoxicação do dependente, em que ocorre a retirada de todas as substâncias danosas do organismo, é necessário buscar pela raiz do problema e discuti-lo através da terapia comportamental, realizada em uma clínica de reabilitação em Goiás, por exemplo.

Nessa etapa do tratamento, gatilhos, descontroles emocionais e outros distúrbios são tratados pelo paciente e pelo médico, de modo a ajudá-lo a entender os sentimentos negativos, as situações causadas pelo uso de drogas e seu comportamento em relação a elas.

A terapia cognitivo comportamental é um dos últimos passos para guiar o indivíduo a superar a dependência, até estar pronto para retomar suas atividades.

E embora seja um tratamento longo e difícil, com o suporte de uma clínica de reabilitação, com profissionais especializados e uma base familiar disposta a ajudar, é possível superar o vício e viver uma vida saudável e livre dos malefícios das drogas.