Comerciantes vão ao prefeito para pedir abertura das lojas

Por 21 de março de 2021

 

 

 

 

Em carreata, os empresários foram ao prefeito José Otávio Germano. Fotos: Divulgação

Uma mobilização que iniciou pelas redes sociais durante a semana reuniu na manhã deste domingo (21) um grande número de empresários de Cachoeira do Sul ligados ao comércio. Depois de uma concentração na Praça Honorato, os lojistas em carreata se dirigiram até a residência do prefeito José Otávio Germano, na Volta da Charqueada.

Os empresários foram recebidos pelo prefeito e mais quatro assessores. O encontro, na avaliação dos comerciantes foi positivo. José Otávio destacou que espera que o recurso impetrado pelo governo do Estado pela liberação da cogestão aconteça, mas se isto não acontecer, teria “garantido tomar providências favoráveis ao comércio”. A manifestação deixou os empresários confiantes de que a partir desta segunda-feira (22) as atividades voltam à normalidade.

 

 

IMPORTE

A expectativa de empresários e prefeituras é que ocorra um desfecho na tarde deste domingo favoráveis à cogestão. Tudo porque o governo do Estado ingressou, na noite deste sábado (20), com recurso contra a decisão que suspendeu a volta da cogestão. O mecanismo do distanciamento controlado permite regras mais flexíveis à bandeira preta para o comércio, salões de beleza e restaurantes nas cidades, caso seja o entendimento do prefeito.

O procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, disse que o principal argumento é de que “o sistema de cogestão não significa abrandamento”, e sim o compartilhamento da decisão. Também alegou que as restrições adotadas anteriormente tinham data para término e precisavam ser revistas.

No seu entendimento, as modificações feitas agora são importantes para a manutenção do equilíbrio entre a promoção e proteção à saúde e a manutenção das atividades econômicas. “A gente precisa fazer essa alternância do sistema agora para que possamos ter os dois fatores. O sistema é complexo, e o momento é, agora, de fazer a alternância”, afirmou.