CERIMONIAIS TRADICIONALISTAS

Por 13 de março de 2019

Queridos amigos:  após assistir a alguns “cerimoniais” não condizentes com o oficial, regulamentado pelo MTG, decidi “reeditar” a coluna postada em agosto do ano passado, sobre o assunto.

O Povo Gaúcho é talvez o brasileiro mais brasileiro que existe.  Tanto que em praticamente todas as promoções ou programações que envolvem tradicionalismo, costuma-se efetuar CERIMONIAS CÍVICAS (Hasteamento e Arriamento de Bandeiras, Aberturas de Eventos, Solenidades Comemorativas, Posses de Mandatos, etc.)

Embora para muitos possa parecer um ato corriqueiro, É um Ato Importantíssimo.  Pois através dele que demonstramos nossa reverencia ao que nossos antepassados nos legaram e que hoje procuramos preservar e passar aos presentes e futuros tradicionalistas.

Para isso há um ritual devidamente organizado que não é infelizmente conhecido por alguns mestres de cerimônia (agregado das falas tradicionalmente falando). Algumas coisas importantes que devem ser observadas:

– Horários, Hinos, Bandeiras (e suas posições), Hierarquias, Pronunciamentos entre muitos.

O MTG editou para isso um manual que deve ser lido e interpretado por todos os tradicionalistas, independentemente da função a qual se encontra investido.

De bom tom, que se use o bom senso, analisando, público horário, local, festividade especifica, e principalmente que seja claro, direto, objetivo e NUNCA extenso demais, evitando que o público alvo se sinta entediado, cansado e displicente, evitando assim o esvaziamento em todos os sentidos.

CERIMONIAS

Os Cerimoniais Tradicionalistas são regrados e assim se desenvolvem:

– O Presidente do MTG presidirá as cerimônias tradicionalistas a que comparecer, quando organizadas pelo MTG, na ausência deste, será presidido pelo Vice-Presidente que tiver a precedência.

– O Coordenador Regional presidirá os Encontros Regionais e as cerimônias tradicionalistas organizadas pela RT, na ausência deste, será presidido pelo Vice Coordenador Regional.

– O Patrão da entidade presidirá as cerimonias que a ENTIDADE promover, concedendo lugar de honra (destaque) ao Presidente do MTG ou seu representante (*) e ao Coordenador Regional ou seu representante (*).

– Nas cerimônias em que comparecer o Presidente do MTG, os Coordenadores Regionais não poderão se fazer representar.

-Na ausência da autoridade, seu cônjuge presente terá direito à mesma precedência (*) nas cerimonias.

-Os Representantes (*) do Chefe dos Poderes Executivo e Legislativo ocupam o lugar de seus representados

-Os Representantes (*) das demais autoridades civis e militares terão a precedência (*) que lhes competir por força de seus postos ou funções e não a que caberia aos representados.

-Nas cerimônias em que os pioneiros do MTG se fizerem presentes, serão convidados a participar das mesas de honra, na qualidade de autoridades tradicionalistas.

(*) Precedência é sinônimo de: preferênciaprimaziaantecedênciaprioridadeanteposição, precessão.

(*) Representante é sinônimo de: mandatárioprocuradordelegadosolicitador.

Em caso de Representante, o mestre de cerimônias (agregado das falas), deverá conferir se a pessoa realmente está representando tal autoridade, obtendo diretamente do mesmo o nome e cargo, evitando assim gafes ou aborrecimentos futuros.  E em caso de a Autoridade Convidada não comparecer, não se fazer representar e não justificar através de missiva formal, recomenda-se “não citar seu nome”, porém em caso de justificativa após a formação total da cerimônia, cita-se a justificativa remetida por tal autoridade que havia sido convidada e não se faz presente.  Ao serem convidadas autoridades para a formação de Honra, recomenda-se faze-lo pessoalmente sem uso de microfone.  E somente anuncia-la quando totalmente formada.

ORDEM DE PRECEDÊNCIA PARA COMPOSIÇÃO DE MESA DE HONRA

CERIMÔNIAS DE NÍVEL ESTADUAL

1 – Presidente do MTG (Presidente do Cerimonial)

2 – Maior autoridade civil presente

3 – Patrão da Entidade (se a cerimônia for em Entidade)

4 – Continuam conforme a ordem de precedência das autoridades

Obs. O Coordenador da Região onde se realiza o evento fará parte da mesa.

CERIMÔNIAS DE NÍVEL REGIONAL

1 – Presidente da cerimônia (Coordenador Regional ou seu vice)

2 – Maior Autoridade Civil presente.

3 – O Presidente do MTG ou seu representante

4 – Patrão da Entidade (se a cerimônia for em entidade)

5 – Continuam conforme a ordem de precedência das autoridades

CERIMÔNIAS A NÍVEL DE ENTIDADE

1 – Patrão da entidade (Presidente da Cerimônia)

2 – Maior Autoridade Civil presente.

3 – Presidente do MTG ou seu representante.

4 – Coordenador Regional ou seu representante.

5 – Continuam conforme a ordem de precedência das autoridades

CERIMÔNIAS CONJUNTAS COM OUTRAS INSTITUIÇÕES

(EX. SEMANA FARROUPILHA)

Nestes casos as maiores autoridades promotoras do evento serão chamadas logo após o presidente da cerimônia

CERIMÔNIAIS ESPECIAS

Algumas cerimônias como: festa de aniversário da entidade troca de faixa ou distintivos de Prendas e Peões, troca de Patronagens, homenagens especiais, etc., obedecerão a protocolo próprio elaborado pela entidade promotora do evento que poderá incluir outras pessoas como autoridades.

Nestes casos específicos, as autoridades poderão ocupar Lugar na Mesa de Honra, acompanhadas de seus cônjuges.

 

NORMAS SOBRE HASTEAMENTO DE BANDEIRAS

Apresentação das Bandeiras

Bandeira Nacional e Rio-grandense.

De acordo Com que definem os Decretos: Federal nº 70.274 de 09.03.72 e estadual nº 30.012 de 31.12.80.

Bandeiras do MTG, da RT e das Entidades Tradicionalistas. Podem ser utilizadas em todas as situações em que houver a presença das Bandeiras Nacional e Rio-grandense e, ainda, em todos os locais sob todas as formas e em todas as situações que não atentem contra a Carta de Princípios ou contra os bons usos e costumes do povo gaúcho.

Colocação das bandeiras:

Bandeira Nacional: Ocupa lugar de honra, compreendido como a posição: Central ou mais próxima do Centro e à direita deste, quando com outras bandeiras, em linha de mastros, panóplias, escudos ou peças semelhantes.

Destacada a frente das outras bandeiras quando conduzidas em desfiles.

Bandeira Rio-Grandense:O mais próximo do centro a esquerda da Bandeira do Brasil quando o número de Bandeiras for par. O mais próximo do centro a direita da Bandeira do Brasil quando o número de Bandeiras for ímpar.

Bandeira do Município: Se posta junto a Bandeira do Brasil, no lado oposto a Bandeira Estadual.

Bandeiras Tradicionalistas:A ordem de precedência das Bandeiras Tradicionalistas é a seguinte:

-CBTG (se houver) – MTG (se houver) – Bandeira da paz (se houver) – Bandeira da RT – Entidade Tradicionalista (No caso de Cachoeira do Sul a da ATC) – Entidades Tradicionalistas Filiadas (CTG, DTG, GT, PL, etc. pela data de filiação ao MTG.  Departamento ou Piquete de Entidade Filiada.

As bandeiras podem ser hasteadas ou arriadas a qualquer hora do dia e da noite, normalmente elas são hasteadas às 8h e arriadas às 18h.

À noite, as bandeiras somente poderão ser mantidas hasteadas em mastros, se estiverem iluminadas.

 

 

 

Hinos Oficiais:

As cerimônias Tradicionalistas terão início propriamente dito com a execução do Hino Nacional Brasileiro e Hino Tradicionalista e serão encerradas com o Hino Rio-grandense.

O Hino Nacional Brasileiro quando em execução instrumental, deverá reproduzir integralmente a primeira parte, quando vocal serão cantadas as duas partes do poema.

O Hino Tradicionalista deverá ser o segundo nas cerimônias tradicionalistas, imediatamente após a execução do Hino Nacional Brasileiro.

O mestre de cerimônias (agregado das falas) ao anunciar a execução (instrumental ou vocal) dos Hinos: Nacional Brasileiro, Rio-grandense e Tradicionalista, deverá informar os autores de letra e música, bem como alertar para a atitude que os cidadãos devem ter, ou seja: “todos devem tomar atitude de respeito, em pé e em silencio, braços ao longo do corpo, civis do sexo masculino com a cabeça descoberta e os militares em continência conforme seus próprios regulamentos.  Durante a execução dos Hinos nacional Brasileiro e Rio-grandense, todos deverão voltar a frente onde estão as respectivas bandeiras. Em caso de execução por Banda ou Coral presentes, todos deverão voltar a frente aos executores.

PRONUNCIAMENTOS

Os pronunciamentos obedecerão à ordem inversa à precedência das autoridades.  A maior autoridade será a última a se pronunciar.

O número de pronunciamentos dependerá de cada cerimônia. Recomenda-se até 3 (três) pronunciamentos para cerimonias regionais ou de entidades. No máximo 5 (cinco) para cerimonias estaduais.

Sugere-se pronunciar-se 1 representante de cada setor envolvido.

Autoridades convidadas (Governador, Prefeito, Deputado, etc., devem ser consultados antes da cerimônia sobre possíveis pronunciamentos). Os demais pronunciamentos o procedimento é o mesmo.

TRADIÇÃO. É CULTURA, E A PRESERVAÇÃO DO OFICIAL É PRIMORDIAL PARA MANTER A TRADIÇÃO GAÚCHA.

Parcialmente extraído do PROTOCOLO E CERIMONIAL TRADICIONALISTA (MTG), disponível no sitio www.mtg.org.br.