Caso Nickolle Rocha: longa inspirado no crime é selecionado para Festival de Cinema de Gramado

Por 13 de julho de 2021

O 49º Festival de Cinema de Gramado, que ocorrerá de 13 a 21 de agosto, anunciou os filmes selecionados e detalhes desta edição. Entre os longas-metragens gaúchos, uma obra gravada em Cachoeira do Sul. Trata-se de “Extermínio”, com direção de Mirela Kruel. Com 72’42” de duração, a obra concorrerá com dois longas de Porto Alegre: “A Colmeia”, com direção de Gilson Vargas (100’44”) e “Cavalo de Santo”, de Mirian Fichtner e Carlos Caramez (70’48”).

Mirela Kruel (“O Último Poema” e do premiado curta-metragem “Catadora de Gente”) é a diretora do longa distribuído pela Lança Filmes com um recorte sobre a vivência de três mulheres transsexuais no interior do Rio Grande do Sul, marcadas pela violência, mas também pelos sonhos e a amizade. As três têm algo em comum além das circunstâncias da vivência trans: são amigas de Nickolle Rocha, mulher trans tragicamente assassinada em 2016.

Na época, dois adolescentes – de 15 anos e 16 anos – confessaram ter espancado a vítima, de 19 anos, em Cachoeira do Sul. A declaração foi feita na Delegacia de Polícia, após os dois serem ouvidos separadamente e terem caído em contradição. Porém, os alegaram que não sabiam que Nickolle havia morrido em decorrência da violência.

De acordo com a Polícia, Nickolle – eleita Miss Diversidade de Cachoeira do Sul e Miss Simpatia da Diversidade do Rio Grande do Sul – morreu de traumatismo craniano com lesões como deslocamento da mandíbula.

A investigação contou com o auxílio de uma amiga da vítima para chegar à autoria do crime. As duas saíram juntas quando foram abordadas pelos dois menores, que eram conhecidos de Nickolle.

Ainda de acordo com as apurações no período, os adolescentes agrediram Nickolle após divergências.

Os menores de idade afirmaram à Polícia acreditarem que a vítima estava desacordada e foram para casa.


Extermínio – Cachoeira do Sul
Direção: Mirela Kruel / 72’42”

COMO ASSISTIR:
A exibição acontece de 13 a 19 de agosto, a partir das 21h30, no Canal Brasil através da televisão para assinantes e também pela internet através da plataforma de streaming em https://globosatplay.globo.com/c/canal-brasil/.

De 16 a 21 de agosto, os filmes ficam disponíveis via streaming pelo Canais Globo e Globoplay. Premiação dia 21 de agosto, às 21 horas, com transmissão ao vivo pelo Canal Brasil na televisão e redes sociais do Festival.


A diretora ainda concorre na categoria de curtas-metragens gaúchos com “Depois da Meia Noite” (Caxias do Sul).

Festival

Em 2021, o maior evento de cinema do país e o único a acontecer ininterruptamente desde 1973, segue sendo exibido pela Internet, televisão por assinatura (Canal Brasil) e televisão aberta (TVE-RS).

No anúncio desta terça-feira, estiveram no estúdio da emissora a presidente da Gramadotur e secretária de Turismo, Rosa Helena Volk, o prefeito de Gramado, Nestor Tissot, e o curador do festival, Marcos Santuario.

Nesta edição, 893 filmes fizeram sua inscrição para participar das mostras competitivas e 52 foram selecionados: quatro longas-metragens estrangeiros, sete longas-metragens brasileiros, três longas-metragens gaúchos – incluindo a obra de Cachoeira do Sul com direção de Mirela Kruel, 14 curtas-metragens brasileiros e 24 curtas-metragens gaúcho.

May be an image of 1 person

Mirela Kruel / Crédito: Reprodução

Longas brasileiros e estrangeiros

“Em tempos tão complexos, ter uma qualidade e uma quantidade tão empolgantes de filmes, do Brasil e do exterior no Festival nos deixa muito felizes e esperançosos. Produções inéditas que aguardavam com ansiedade, como nós, esta edição do Festival de Gramado para conectar-se com as audiências. Representam o melhor da garra, da resistência e do talento que emerge do audiovisual contemporâneo”, analisa Marcos Santuario, que ao lado da atriz argentina Soledad Villamil formam a curadoria do evento

Produções do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pernambuco, Paraná e São Paulo integram a mostra que traz por trás das câmeras estreantes e outros nomes já conhecidos de Gramado, com destaque para a presença feminina mais valorizada do que nunca com três diretoras em competição. Já entre os estrangeiros, Argentina, Bolívia, Chile e Uruguai marcam presença na tela.

Mirela Kruel / Crédito: Reprodução

LONGAS-METRAGENS BRASILEIROS

A Primeira Morte de Joana (RS),de Cristiane Oliveira
A Suspeita (RJ),de Pedro Peregrino
Álbum em Família (RJ),de Daniel Belmonte
Carro Rei (PE),Renata Pinheiro
Homem Onça (RJ),de Vinícius Reis
Jesus Kid (PR),de Aly Muritiba
O Novelo (SP),de Claudia Pinheiro

LONGAS-METRAGENS ESTRANGEIROS

Gran Avenida (Chile),de Moises Sepulveda
La teoría de los vidrios rotos (Uruguai, Brasil e Argentina),de Diego Fernández Pujol
Planta permanente (Argentina e Uruguai),de Ezequiel Radusky
Pseudo (Bolívia),de Gory Patiño e Luis Reneo

Curtas brasileiros

Ao todo, 14 filmes irão concorrer aos Kikitos da categoria de curtas brasileiros e, mais uma vez, os espectadores poderão ver na tela temas recorrentes nas discussões sociais e muita representatividade.

“Olhamos para o fazer cinematográfico, considerando a sua qualidade técnica e criativa, com atenção especial para filmes cujas narrativas elaborassem questões pertinentes às discussões sociais tão presentes nos dias de hoje. A representatividade também foi uma constante entre os filmes inscritos, tanto na frente quanto atrás das câmeras. Nesse sentido, buscamos um equilíbrio, e olhamos com mais atenção para filmes que trouxessem para cena corpos de diferentes cores, gêneros, tamanhos e idades, bem como filmes dirigidos por mulheres. E já que estávamos selecionando obras para a competição de curtas brasileiros, pensamos também numa cartela de filmes que incluísse representantes dos mais diversos estados, ultrapassando as fronteiras do eixo Rio-São Paulo”, explica a atriz, roteirista e professora Thaís Cabral, integrante da comissão de seleção da categoria

Conheça abaixo os filmes selecionados:

A Beleza de Rose (CE), de Natal Portela
A Fome de Lázaro (PB), de Diego Benevides
Animais na Pista (PB), de Otto Cabral
Aonde vão os Pés (PR), de Débora Zanatta
Da Janela Vejo o Mundo (PR), de Ana Catarina Lugarini
Desvirtude (RS), de Gautier Lee
Entre Nós e o Mundo (SP), de Fabio Rodrigo
Eu não sou um robô (RS), de Gabriela Lamas
Fotos Privadas (RJ), de Marcelo Grabowsky
Memória de Quem (Não) Fui (RJ), de Thiago Kistenmacker
O que Há em Ti (SP), de Carlos Adriano
Per Capita (PE), de Lia Leticia
Quanto Pesa (MA), de Breno Nina
Stone Heart (AM), de Humberto Rodrigues

Mirela Kruel / Crédito: Reprodução

Gaúchos ganham novo prêmio

Em 2021, os realizadores gaúchos serão ainda mais valorizados. Em parceria com a Gramadotur, a Secretaria Estadual de Cultura oferece o Prêmio Sedac/IECINE aos Longas-Metragens Gaúchos, com valores em dinheiro em diversas categorias. A iniciativa pretende valorizar a resistência do Festival de Gramado em um período difícil para o cinema brasileiro, dando protagonismo ao audiovisual gaúcho. Além de destacar os talentos da safra anual de audiovisual, a iniciativa vem valorizar também o olhar curatorial e artístico da Associação de Críticos de Cinema do Rio Grande do Sul, que assume o júri da premiação juntamente com o Instituto Estadual de Cinema e a Gramadotur.

Serão 24 filmes concorrentes no Prêmio Assembleia Legislativa – Mostra Gaúcha de Curtas e outras três produções na categoria de longas-metragens feitas no Rio Grande do Sul.

Responsável pela seleção dos concorrentes entre os longas, o programador da Cinemateca Capitólio de Porto Alegre Leonardo Bonfim destaca a quantidade de documentários inscritos e a temática em comum das produções selecionadas: “Todos os filmes têm a questão do medo, do perigo, da ameaça, da perseguição… isso aparece em diferentes contextos. Essa é uma tônica que aparece em todos os três filmes e cada filme dá uma resposta diferente e encontra seus sinais de vida, de existência, de diferentes personagens, de pessoas e histórias no Rio Grande do Sul”.

A mostra de curtas gaúchos traz uma seleção bastante heterogênea para o festival, que costura olhares, temáticas, formatos e abordagens variadas, mas que revela, vista em conjunto, aproximações e interesses comuns.

“Os filmes lidam, cada um ao seu modo, com diversos eixos narrativos, formas e discursos. Carregam, de forma menos ou mais radical, o peso evidente do tempo de suas produções: o do cenário político nacional e das diversas formas de violência que insistem em machucar nosso país. A inescapável presença fantasmática dessa tensão política, bem como seus inúmeros conflitos sociais, raciais e econômicos estão acentuadas em muitas obras. A seleção evidencia essa urgência e a amarra a registros intimistas que convocam o público a mobilizar também outras sensibilidades, mas que guardam, como gesto político, formas narrativas e estéticas vivas e pulsantes”, analisa o realizador, roteirista e diretor de arte Richard Tavares, integrante da comissão de seleção

Este ano, a premiação Prêmio Assembleia Legislativa – Mostra Gaúcha de Curtas acontece no último sábado do evento, às 16 horas, com transmissão ao vivo pela TVE-RS, na televisão, direto de Gramado.

Conheça os selecionados:

CURTAS-METRAGENS GAÚCHOS

Jardim das Horas (Porto Alegre), de Matheus Piccoli
Cacicus (Santa Cruz do Sul), de Bruno Cabral e Gabriela Dullius
Era uma Vez… uma Princesa (Porto Alegre), de Lisiane Cohen
Depois da Meia Noite (Caxias do Sul), de Mirela Kruel
Para Colorir (Porto Alegre), de Juliana Costa
Um dia de primavera (Porto Alegre), de Lisi Kieling
Nave Mãe (Sapucaia do Sul), de Gisa Galaverna e Wagner Costa
Rota (São Leopoldo), de Mariani Ferreira
Tormenta (Porto Alegre), de Emiliano Cunha e Vado Vergara
Não Sou Eu (Porto Alegre), de Theo Tajes
Comboio pra Lua (Pelotas), de Rebeca Francoff
Fé (Porto Alegre), de Thais Fernandes
Tom (Porto Alegre), de Felippe Steffens
Solilóquio (Porto Alegre), de Marcelo Stifelman
Nilson filho do campeão (Santa Cruz do Sul), de Diego Tafarel
Eu não sou um robô (Porto Alegre), de Gabriela Lamas
Desvirtude (Porto Alegre), de Gautier Lee
Noite Macabra (Canoas), de Felipe Iesbick
Love do Amor (Restinga Sêca), de Fabrício Koltermann
Isso me faz pensar (Porto Alegre), de Hopi Chapman
Brecha (Pelotas), de Helena Thofehrn Lessa
Rufus (São Leopoldo), de Eduardo Reis
Hora feliz (Porto Alegre), de Alex Sernambi
Trem do Tempo (Pelotas), de Vitor Rezende Mendonça

LONGAS-METRAGENS GAÚCHOS

A Colmeia (Porto Alegre), de Gilson Vargas
Cavalo de Santo (Porto Alegre), de Mirian Fichtner e Carlos Caramez
Extermínio (Cachoeira do Sul), de Mirela Kruel

Uma homenagem a todos os profissionais do audiovisual

Um dos momentos mais tradicionais e esperados do Festival de Cinema de Gramado é a entrega dos troféus aos homenageados de cada edição. Ao longo desse tempo já foram destacadas 74 personalidades ou entidades de todas as áreas do audiovisual com os troféus Oscarito, Eduardo Abelin, Kikito de Cristal e Cidade de Gramado. Em 2021, o evento decide fazer não uma homenagem isolada, mas sim destacar todos à frente ou atrás das telas que tiveram a missão de arejar e de nos abrir janelas, nos levando a tantos lugares e tantas viagens através do cinema ao longo dos anos e, especialmente neste momento tão delicado para o segmento.

“Com essa atitude, propomos uma reflexão sobre a relevância e impacto do cinema nas diferentes culturas. Uma reflexão sobre a importância desse trabalho que nos leva a tantos mundos e emoções, e também sobre o momento que vivemos e os novos rumos. Entendemos que cada pessoa envolvida em uma produção merece nesse ano difícil nossa profunda gratidão e admiração, queremos simbolicamente entregar nossos troféus a toda classe realizadora do Brasil e da América Latina. Nossa homenagem é ampla como nossa esperança de que em 2022 estaremos novamente juntos entregando esses troféus na mão de cada homenageado no palco do nosso Palácio dos Festivais” – presidente da Gramadotur, Rosa Helena Volk

Gramado Film Market

Em sua quinta edição, o Gramado Film Market é o espaço na programação do Festival de Cinema de Gramado voltado ao mercado do cinema e audiovisual, e neste ano também segue com suas ações acontecendo de forma virtual. As discussões deste ano irão versar sobre o difícil momento para o audiovisual brasileiro com a presença de entidades e acadêmicos do setor.

Nos dias 14 e 15 de agosto, serão realizados os debates do HUB Universidades, com Forcine Sul, Forcine Nacional e Federação Iberoamericana das Escolas do Audiovisual. Nas mesmas datas acontece a IV Mostra de Filmes Universitários que este ano irá receber premiação através de votação interativa para o melhor filme. A curadoria da mostra é do Coletivo de Cinema Sigma com apoio do Forcine.

Ainda na programação, como vem acontecendo nos últimos anos, haverá um concurso interativo, como explica a coordenadora do Conexões Gramado Film Market, Gisele Hiltl: “O concurso interativo tem sido mais uma forma de abrir espaço e trazer novos conteúdos, formatos e processos da realização audiovisual para o festival. Nesta edição, nada mais óbvio do que avaliar as plataformas que foram em verdade ‘as grandes parceiras do público’ na pandemia que ainda segue. O público poderá acessar o site, entrar no concurso e votar para indicar a melhor plataforma de streaming em 2020 e 2021”.

O encerramento do Gramado Film Market será dia 18, com o Fórum Nacional do Audiovisual.

Produções inéditas no 11º Educavídeo

Como já é tradição, a noite que antecede a abertura oficial do Festival de Cinema de Gramado é dedicada aos trabalhos do Programa Municipal Escola de Cinema, o Educavídeo. A iniciativa, que está em seu 11º ano, estimula a realização audiovisual aos alunos da rede municipal. Mesmo com a pandemia, os alunos se reinventaram e seguiram produzindo. Desta forma, parte do material que será exibido neste ano tem temáticas que retratam o momento sob o olhar dos jovens, que adaptaram as condições de produção para os meios digitais.

A sessão do Educavídeo, que integra a programação do 49º Festival de Cinema de Gramado, será exibida na noite do dia 12 de agosto, quinta-feira, no site do evento e também no canal do YouTube do projeto.