Bairros vão receber força-tarefa contra o mosquito da dengue

Por 18 de abril de 2022

Guerra ao mosquito: surgimento crescente de casos de dengue em Cachoeira coloca autoridades em alerta / Foto: Edson Michels/Especial

 

Autoridades municipais da área da Saúde anunciaram nesta segunda-feira (18) a criação de uma força-tarefa para o combate do mosquito Aedes Aegypti em Cachoeira do Sul. A medida foi tomada devido ao crescente surgimento de casos de dengue na cidade. Uma reunião para tratar do assunto foi promovida durante a manhã entre as coordenações do Departamento de Vigilância em Saúde (DVS) e Departamento de Atenção à Saúde (DAS) e o secretário Municipal da Saúde, Marcelo Figueiró.

Paralelamente ao trabalho diário que já vem sendo executado pela Administração Municipal, mobilizando em torno de 20 agentes de endemias e agentes comunitários de saúde atuando nos bairros com maior número de casos, o titular da SMS determinou um calendário de super mutirões que, além de pelo menos 50 servidores da área técnica, deverá envolver colaboradores da área administrativa da Saúde, além da equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, pelo menos duas vezes na semana. Presente à reunião, o titular da SMMA, Geraldo Fogliarini, confirmou que a pasta somará esforços também na proposta de recolhimento dos entulhos nas propriedades.

A campanha será aberta oficialmente na próxima quarta-feira (20), junto ao Bairro Oliveira, que ainda é o campeão em número de ocorrências, com pelo menos 55 casos entre confirmados e sob suspeita de contágio – estes últimos aguardando pelos laudos do Laboratório Central do Estado (Lacen). A concentração do grupo para o início das atividades será às 8h, em frente a Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Rua Tito Osório Torres.

A proposta é de que a frente de trabalho promova um pente-fino nas vias públicas e propriedades particulares (nestas mediante permissão do proprietário ou morador), nas áreas que ofereçam risco de procriação do mosquito Aedes aegypti, seja pelo acúmulo de lixo ou de pontos de água parada, auxiliando na orientação dos residentes e diretamente na limpeza e organização dos pátios. “A Prefeitura vai liderar a operação e tomar a iniciativa nos bairros de maior incidência da doença, mas será a adesão da comunidade, fazendo cada um a sua parte, que oferecerá a resposta preventiva que todos esperamos”, avaliou o secretário Marcelo Figueiró.

MÃO NA MASSA

“Não há outra maneira de combater a dengue a não ser com um trabalho integrado”, alertou o coordenador do DVS, Luís Carlos Adorne, destacando que é preciso alertar a população de que a chegada do clima frio não conterá, espontaneamente, a proliferação do mosquito. “A doença pode evoluir para quadros de saúde preocupantes e, nesse sentido, todos teremos de arregaçar as mangas”, ponderou. A partir das próximas semanas, o calendário dos super mutirões percorrerá, por ordem, os bairros Noêmia, Santa Helena, Marina, Quinta da Boa Vista, São José e Medianeira. A proposta do secretário da Saúde é, depois da ação inicial, mobilizar demais entidades e órgãos públicos à campanha, como a União Cachoeirense das Associações de Bairros (Ucab), 8ª Coordenadoria Regional da Saúde, Legislativo Municipal, demais secretarias municipais e o Exército, através das guarnições do 3º Batalhão de Engenharia de Combate e 13º Grupo de Artilharia de Campanha.

A equipe técnica, composta pelos agentes de endemias e agentes comunitários de saúde, além de seus coordenadores, estarão operando na ação educativa junto aos moradores e diretamente no bloqueio de transmissão viral, através da aplicação de inseticida específico que é pulverizado nas áreas infectadas, do larvicida quando for o caso, pastilhas para caixas d´água e a estratégia popularmente conhecida como fumacê, que consiste em dispositivos individuais utilizados pelos aplicadores que emitem uma “nuvem” de fumaça com baixas doses de um agrotóxico, eliminando a maior parte dos mosquitos adultos presentes na região. “Nestas ações é que a colaboração da comunidade será determinante, permitindo que a equipe devidamente identificada tenha acesso às propriedades”, ressalta o coordenador do DVS.

 

CONTÁGIO

O Setor de Epidemiologia do DVS orienta os cachoeirenses para os cuidados preventivos como a limpeza criteriosa de seus pátios, como forma de eliminar focos de água parada. A doença é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti, após este já ter tido contato anterior com algum contaminado, e os sintomas podem aparecer no período compreendido entre três e 15 dias: febre, dor e manchas pelo corpo, náusea, vômitos e dor de cabeça (caracterizada pela dor nos olhos). Até o meio-dia desta segunda-feira (18/04), o setor já havia contabilizado 41 casos confirmados e outros 188 sob suspeita da doença.

 

COMO PREVENIR A DOENÇA

O Departamento de Vigilância em Saúde (DVS) está orientando a população para a eliminação de criadouros nas áreas externas de suas residências, como forma de abolir focos de água parada. A limpeza dos imóveis é fundamental neste processo:

– Manter os pátios bem varridos e eliminar qualquer recipiente que possa estar acumulando água;

– Eliminar água dos pratos das plantas;

– Tampar caixas d´água, tonéis e demais recipientes que armazenem água;

– Higienização criteriosa de vasilhas de uso geral, seja para criação de plantas ou animais.

 

CALENDÁRIO DOS SUPER MUTIRÕES

20/04 (quarta-feira) – 8h, Bairro Oliveira – em frente a Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

26/04 (terça-feira) – 8h, Bairro Noêmia – em frente a ESF do bairro

28/04 (quinta-feira) – 8h, Bairro Santa Helena – em frente a EAP Centro Social Urbano

03/05 (terça-feira) – 8h, Bairro Marina – em frente a EAP Marina (ex-US14)

05/05 (terça-feira) – 8h, Bairro Quinta da Boa Vista – em frente a ESF do bairro

10/05 (terça-feira) – 8h, Bairro São José – ponto de partida a confirmar

12/05 (terça-feira) – 8h, Bairro Medianeira – ponto de partida a confirmar

Com informações de Viviane Dias/Secretaria Municipal da Saúde