Animador brasileiro troca o cinema pela indústria de games

Por 10 de agosto de 2021

Depois de integrar a elite de animadores 3D da DreamWorks Animation em superproduções como “O Poderoso Chefinho 2”, que estreia nesta quinta-feira no Brasil, Alex Simões começa novo desafio em outra gigante do entretenimento, mas de uma indústria diferente e tão ou mais poderosa quanto o cinema.

Crédito: Divulgação

Alex passa a integrar o time da Riot Games, desenvolvedora de League of Legends, um dos jogos mais conhecidos do planeta. Em Los Angeles, ele será responsável pela animação de gameplay dos campeões do jogo. “Em princípio, começo atuando no desenvolvimento de novos campeões, mas pretendo expandir meus horizontes e adquirir ainda mais experiência com animações para games”, diz Simões.

League of Legends possui mais de uma década de popularidade e foi um dos primeiros a atingir um faturamento bilionário no mundo dos eSports. Os campeonatos mundiais em torno do jogo costumam atrair uma audiência superior a 20 milhões de espectadores simultâneos. Alguns jogadores e jogadoras profissionais de LOL se tornam astros e estrelas do mundo gamer e alcançam cifras milionárias em salários e patrocinadores.

Só no ano passado, de acordo com relatório anual da consultoria SuperData, a receita de League of Legends chegou a US$ 1,75 bilhão – foi o único free-to-play e não-móvel a alcançar tal marca.

Crédito: Divulgação

O jogo é online e gratuito, do gênero batalha multijogador, e está disponível para plataformas Windows e Mac Os. O objetivo dos jogadores é controlar campeões com habilidades únicas em um time, atuando contra o computador ou até mesmo outros jogadores.

A chegada de Alex Simões a Riot é fruto de sua trajetória em produções cinematográficas – além de O Poderoso Chefinho 2, o brasileiro se destacou em longas de animação como “Abominável”, “Hotel Transilvânia 3” e “The Bad Guys” (que será lançado em 2022). A mudança para uma nova mídia não assusta o brasileiro, ao contrário, serve de motivação. “O público dos games é mais amplo, em várias faixas etárias. Já as animações são mais focadas em crianças e com uma dinâmica diferente do game de ação, por exemplo”, compara.

Além do trabalho em gigantes do entretenimento, Alex Simões é o mentor da Animation Flow Academy, mentoria de animação para estudantes e profissionais de qualquer lugar do planeta. “Quero trazer para eles também essa experiência desta nova indústria em que estou entrando, os prós e contras, e mostrar a eles um novo caminho na animação”.